#EUVOTOSEMFAKE

Mal das redes e o assassinato de reputações para campanha política


Postada em 09/10/2020 08:27:56 | Atualizada em 09/10/2020 08:29:40

'Monstro' falso das redes sociais | Foto: Reprodução/ WhatsApp

 

O início da propaganda eleitoral nesta sexta-feira (9) marca também o começo das batalhas de liminares com pedidos de direitos de resposta e ataques entre os candidatos. Porém, com as redes sociais, essas disputas começaram mais cedo. Diversos episódios foram registrados em todo o Brasil, com a solicitação de remoção de conteúdo e até mesmo a publicação de respostas em perfis e páginas de plataformas como Facebook, Instagram e YouTube. É a judicialização das mídias sociais, a partir de campanhas eleitorais.

 

Infelizmente, essas disputas jurídicas são um mal necessário. Muitos candidatos não têm qualquer preocupação com o conteúdo publicado nas redes sociais. A sensação de “terra de ninguém” na internet ampliou a disseminação de informações falsas e irresponsáveis usam e abusam dessa rotina para ampliar os próprios alcances ou causar burburinho. É assim que subcelebridades das redes almejam alcançar mandatos eletivos - estratégia que já deu certo para resultados positivos para o Legislativo nas eleições de 2018.

 

O problema é mais complexo do que o simples embate na Justiça Eleitoral. É preciso também discutir a imputação de outros crimes como calúnia e difamação quando esses limites são ultrapassados. Na guerra política, o jogo sujo não deveria ser permitido ou aceito. E quando esse jogo usa subterfúgios, a exemplo do compartilhamento de conteúdos apócrifos em redes não rastreáveis, a exemplo do WhatsApp, isso precisa ser debatido publicamente. As notícias falsas são a ponta do novelo. Há muito mais que isso no processo.

 

O assassinato de reputações, algo que foi pincelado na chamada CPMI das Fake News, é algo extremamente corriqueiro nas disputas políticas. Principalmente nos rincões, onde um trecho editado de um vídeo é um rastilho de pólvora que pode sepultar uma candidatura. No entanto, não existe uma maneira clara de como essas práticas podem ser coibidas fora do âmbito jurídico. E até que seja feito algum tipo de reparação, a eleição acaba e o estrago pode não ser mais desfeito.

 

Para além da própria ação dos candidatos, é preciso que a população tenha consciência quando tiver acesso a conteúdos com ataques pessoais e descontextualizados. Ainda mais quando sabemos que o adversário de agora pode se tornar um aliado no futuro. É difícil manter a sanidade em tempos de tensões eleitorais. Mas que ao menos tenhamos maturidade para lidar com esse período.

 

Este texto integra o comentário do jornalista Fernando Duarte nesta sexta-feira (9) para a RBN Digital e para a rádio A Tarde FM. O comentário pode ser acompanhado também nas principais plataformas de streaming: Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts e TuneIn.


 

Por: CliC101 | Fernando Duarte

 

contato@clic101.com.br
73 98108.5898 | 73 8112.0914

© 2013 - 2020 todos os direitos reservados www.clic101.com.br
CliC101 Mais Conteúdo. Desenvolvido por: Welisvelton Cabral  

 

 

 

 

 

 

X