RETRAÇÃO

Com 1,348 milhão de pessoas, Bahia tem segunda taxa mais alta de trabalhadores desocupados do país


Postada em 25/02/2022 09:42:42 | Atualizada em 25/02/2022 09:47:09

Depois de apresentar a maior taxa de desocupação do Brasil em 2020, a Bahia ficou com a segunda mais elevada no ano passado. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desocupação baiana nos últimos três meses de 2021 foi a segunda mais elevada dentre os estados (17,3%), um pouco menor apenas do que a verificada no Amapá (17,5%) e bem acima do indicador nacional (11,1% no 4º tri/21). Conforme os dados, o total de desocupados no estado atualmente é de 1,348 milhão de pessoas.

 

“No 4º trimestre de 2021, a taxa de desocupação na Bahia mostrou seu segundo recuo seguido frente ao trimestre anterior, indo a 17,3%; [Ainda assim] a taxa média de desocupação no estado ficou em 19,5%, inferior o recorde de 2020 (20,3%), mas ainda maior do que a registrada antes da pandemia, em 2019 - quando havia sido de 17,4%. O resultado foi também bem mais alto que a taxa nacional (13,2%) e menor apenas que a de Pernambuco (19,9%)’, detalha dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) Trimestral, do IBGE.

 

Conforme explicou o IBGE, a taxa de desocupação mede a proporção de pessoas de 14 anos ou mais de idade que estão desocupadas (não trabalharam e procuraram trabalho) em relação ao total de pessoas que estão na força de trabalho, seja trabalhando (pessoas ocupadas) ou procurando (desocupadas). “Foi o maior contingente de desocupados da série histórica da PNADC, 2,1% superior ao verificado em 2020 e perto do dobro (84,5% superior) do menor patamar para esse grupo, verificado em 2014 – quando havia 731 mil pessoas desocupadas no estado”.


Renda Domiciliar

Segundo ainda os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), em 2021, o rendimento domiciliar per capita médio do país (soma dos rendimentos de todas as fontes de cada morador do domicílio dividida pelo total de moradores) ficou em R$ 1.367. Na Bahia, esse rendimento foi de R$ 843.

 

Em relação ao apurado em 2020 (R$ 965, em valores correntes daquele ano), a renda domiciliar per capita média na Bahia teve uma queda nominal (desconsiderando a inflação do período) de 12,6%, em um ano. O resultado para o estado foi o segundo pior do país em termos percentuais, superando apenas a queda registrada no Ceará (-14,3%). Em termos absolutos, a redução de R$ 122 no rendimento domiciliar per capita médio da Bahia foi a 3ª maior, inferior apenas às do Ceará (- R$ 147) e Rondônia (- R$ 146).

 

“A Bahia tem uma das maiores retrações nominais do rendimento domiciliar médio de 2020 para 2021. Historicamente, o rendimento do trabalho representa cerca de 70% do rendimento domiciliar per capita. Se a renda do trabalho tem uma queda, ela puxa a renda para baixo. E o rendimento domiciliar é um indicador importante para a condição de vida. Então, essa redução nominal é uma notícia bastante negativa para a Bahia”, avaliou a supervisora de Disseminação de Informações do IBGE na Bahia, Mariana Viveiros.

 

 

Por: CliC101 | TRBN

 

contato@clic101.com.br
73 98108.5898 | 73 8112.0914

© 2013 - 2022 todos os direitos reservados www.clic101.com.br
CliC101 Mais Conteúdo. Desenvolvido por: Welisvelton Cabral  

 

 

 

 

 

 

X